domingo, setembro 20, 2020
Raposa

Colônia de Pescadores Z-53 emite nota de esclarecimentos sobre o caso dos pescadores desaparecidos em Raposa

656views

O Centro Tático Aéreo (CTA) encontrou no fim da tarde de quarta (8), vestígios que podem ser do material de pesca utilizado pelos três pescadores que estão desaparecidos há 17 dias no Maranhão. Os objetos foram encontrados na Ilha de Curupu, localizado no litoral do município de Raposa, na Região Metropolitana de São Luís.

Foto: Marinha do Brasil e Corpo de Bombeiros Civil nas buscas dos pescadores.

O CTA ainda não confirmou se os materiais pertence aos trio que está desparecido. Com isso, as buscas serão redirecionadas para uma área mais rasa. Parte do material de pesca usado pelo trio foi encontrado boiando na Baía de Cangatá, na entrada da Baía de São José, cerca de 14 milhas da costa do litoral de Raposa.

“Os pescadores que nos acompanharam durante essa missão, eles achavam que a parte mais provável de encontrar vestígios da embarcação dos pescadores, que seria nosso foco, seria nessa parte de águas mais profundas. Com esse achado de ontem, no final do dia, a gente vai redirecionar a busca para a parte mais rasa. Vamos concentrar ali pela Baía de São José e da Baía do Arraial, que fica aqui na Ilha de São Luís”, disse nente-coronel Alci, chefe do departamento de resgate do CTA.

O Corpo de Bombeiros do Maranhão (CBMMA) também realiza buscas desde o domingo (8). De acordo com o major João Lisboa, a amplitude de maré e a extensão da área do litoral, dificultam o trabalho de resgate.

 

COLÔNIA DE PESCADORES DE RAPOSA – ZONA 53

 

NOTA DE REPÚDIO E DE ESCLARECIMENTO

 

Antes de tudo, a Colônia de Pescadores de Raposa se solidariza com os familiares dos pescadores Francisco José Pereira de Araújo, André Veras Silva e Lucas dos Santos, que continuam desaparecidos no mar e se põe à disposição das famílias e das autoridades competentes para prestar qualquer tipo de apoio e os devidos esclarecimentos.

 

Prezados familiares, profissionais da imprensa local, sociedade em geral e agentes públicos relacionados ao caso.

Nos últimos dias, com a repercussão de desaparecimento dos pescadores Francisco José Pereira de Araújo, André Veras Silva e Lucas dos Santos, a Colônia de Pescadores de Raposa – Zona – 53, a diretoria executiva da entidade representada por sua atual presidente Zenaide Reis, bem como Andrea Sayre Gonçalves, presidente licenciada para concorrer à prefeitura do município de Raposa, têm sofrido ataques por parte da imprensa local, impulsionados pelas redes sociais, sendo imputado a estes uma responsabilidade que não as competem.

Assim, a Colônia de Pescadores de Raposa, Zona 53, vem por meio desta nota REPUDIAR TODOS OS ATAQUES SOFRIDOS NOS ÚLTIMOS DIAS e destaca que é valido e oportuno o esclarecimento acerca dos fatos.

Primeiro, a Colônia de Pescadores do município de Raposa – Zona – 53 é uma entidade de natureza sindical, que representa a classe dos trabalhadores da pesca e atua junto ao poder público em prol de pleitear benefícios como o seguro-defeso, salário-materno, aposentadoria e outros serviços que executa e que é do conhecimento de seus associados.

Ademais, não é competência da presente entidade fazer a fiscalização de embarcações e muito menos dos pescadores que as utilizam em suas atividades, visto que Raposa se trata de uma cidade litorânea e precisa estar preparada para casos dessa natureza. Essa reponsabilidade compete à Prefeitura Municipal e secretarias relacionadas, que devem fazer o devido planejamento para se preparar para essas situações. É oportuno destacar que a prefeitura sequer está sendo citada pelos mesmos blogs que atacam a presidente licenciada, Andrea Gonçalves – e os motivos são visíveis.

Segundo, fica esclarecido que a Colônia de Pescadores de Raposa nunca recebeu qualquer material de pesca que, possivelmente, seria da mesma embarcação desaparecida, como afirma alguns da imprensa local, que se apropriaram da informação com fins visivelmente políticos. É válido ressaltar que o material encontrado poderia ser de qualquer outra embarcação, haja vista que perder instrumentos de pesca é algo comum e recorrente no vai e vem das embarcações pesqueiras.

A Colônia de Pescadores de Raposa também informou o acontecido para a Capitania dos Portos, mobilizou pescadores para ajudar nas buscas e fez contato permanente com Colônias de Pescadores de cidades vizinhas para obter o máximo de informações no intuito de ajudar as autoridades a solucionarem o caso.

Mesmo ‘fazendo parte’ do caso por conta da narrativa da imprensa, a entidade sequer foi contatada pelos blogs, sendo um deles do atual Secretário de Comunicação de Raposa, Domingos Costa, aliado da atual prefeita do município, para conhecer os dois lados do caso, como faz o verdadeiro jornalismo responsável, profissional, compactuado com a verdade.

Essa atitude evidencia a falta de imparcialidade e de responsabilidade que uma minoria da imprensa local tiveram em relação às informações que veiculam, tendo apenas a previsível intenção e necessidade de atacar e incitar na população, por meio das redes sociais, a ancoragem e afixação da imagem e sentimento da culpa sobre a presidente licenciada da Colônia de Pescadores, Andrea Sayre Gonçalves, que, inclusive, é pré-candidata à prefeitura e faz oposição ao atual governo, parte da velha política raposense.

Os irresponsáveis, descabidos e desnecessários ataques sofridos tanto pela Colônia de Pescadores quanto pela própria pessoa da ex-presidente, Andrea Gonçalves, as afetam negativamente, sendo causada uma série de crimes, a exemplo da calúnia, difamação e demais atentados contra a imagem, reputação e honra do indivíduo, causando a insegurança da própria presidente e de sua família, o que é grave e deve ser repudiado.

Em resposta à veiculação de informação falsa sobre a Andrea Gonçalves sobre o caso em questão, é importante deixar claro a todos os envolvidos que já corre no judiciário uma série de representações contra aqueles que fizeram ataques à pessoa da presidente licenciada, tanto nas redes sociais como na imprensa local.

Continuarão sendo feitas quantas representações judiciais forem necessárias contra quem veicular informações a responsabilizando e atrelando a sua e a imagem da própria Colônia de Pescadores de Raposa, que sempre buscou por melhor atender os trabalhadores associados, negativamente ao caso do desaparecimento dos pescadores.

Por fim, a Colônia de Pescadores de Raposa contribui para a manutenção da qualidade de vida dos profissionais da pesca, se solidariza com os familiares e amigos dos pescadores desaparecidos e se põe à disposição para prestar qualquer tipo de apoio e dar os devidos esclarecimentos aos órgãos públicos empenhados na busca das vítimas quando for necessário.

Na expectativa da suspensão dos ataques e da responsabilização daqueles que divulgaram informações falsas sobre o caso, a Colônia de Pescadores aguarda por boas notícias sobre os desaparecidos e segue na luta por uma sociedade onde a imprensa e o jornalismo não sejam mais utilizados por pessoas que possuem motivos políticos para veicular informações parciais e falsas (Fake News) com o único objetivo de ferir a imagem e a reputação daqueles que fazem oposição ao governo municipal de Raposa.

 

Raposa – MA, 10 de julho de 2020.

Colônia de Pescadores de Raposa – Zona 53.

Pátria e Dever

 

 

 

“Uma busca complicada, primeiro pel a extensão que a gente está trabalhando, a gente precisa mapear toda aquela área. E o fator complicador se deve ao tempo que fomos acionados, foram mais de 10 dias e isso certamente dificulta. Obviamente, estamos levando em consideração nossa amplitude de maré que é grande, e isso acaba complicando a operação de busca”, explicou o major.

Entenda o caso

Em entrevista ao Portal GSNEWS, familiares relataram que Lucas dos Santos, de 18 anos; André Veras Silva, de 37 anos e Francisco José Pereira de Araújo, de 30 anos, saíram para pescar no dia 25 de junho. Os três saíram do Porto do Braga, em Raposa, em uma embarcação a motor. Segundo as famílias, a expectativa é que eles retornassem para casa em cinco dias, como era de costume, o que não aconteceu.

Um dia após a saída do grupo de Raposa, um pescador encontrou um material de pesca que seria usado pelos pescadores. A família só foi avisada no domingo (8) e acionou as autoridades. As primeiras buscas não encontraram vestígios.

Até o momento não foi passada a informação de encontro de corpos vivos ou em óbitos dos pescadores.

Leave a Response

Portal Geovane
Geovane Silva é um jornalista brasileiro da cidade de São Luís, capital do Maranhão. A sede do Portal Geovane Silva fica no Centro da cidade de Raposa-MA; Região Metropolitana da Capital. Fundador(es): Haroildo Carim Fundação: 01 de Março de 2016 (03 anos) Circulação: Estado do Maranhão.
error: Conteúdo não autorizado para cópias!!